O Comando Metropolitano do Porto da PSP deteve em média 14 pessoas por dia no ano passado no âmbito das 7.358 operações policiais planeadas.

“Permitam-nos evidenciar, no âmbito desta atividade operacional e de resposta a ocorrências, o facto de, em 2014, termos realizado 7.358 operações policiais planeadas – excetuando as de âmbito rodoviário -, o que representa um aumento de 35% face a 2013”, disse o comandante Metropolitano da PSP do Porto, Francisco Bagina, na cerimónia comemorativa do 148.º aniversário do Comando.


Em jeito de despedida, Francisco Bagina, que a partir do dia 17 de agosto assumirá o cargo de inspetor nacional da PSP, adiantou terem sido detidas 5.013 pessoas nestas operações, que representa em média 14 detenções/dia.

Aos comandos da PSP/Porto desde outubro de 2012, Bagina será substituído por Miguel Mendes, superintendente da PSP que, entre outras funções, já liderou o Comando Regional da Madeira (2006-2008) e o de Braga (1991-2006), bem como divisões de esquadras e o gabinete do Comando Metropolitano do Porto.

No seu discurso, Francisco Bagina adiantou também que, no Âmbito de operações de fiscalização rodoviária, a PSP do Porto realizou no ano passado 4.277 operações planeadas, das quais resultaram cerca de 176.150 viaturas fiscalizadas, 2.251 detenções por condução sob o efeito de álcool, 1.015 detenções por condução sem carta e 32.630 veículos controlados por radar.

“A manutenção de um elevado sentimento de segurança dos cidadãos e de baixos índices de criminalidade efetiva é uma realidade na Área Metropolitana do Porto, como é reconhecido inclusive internacionalmente, designadamente nos estudos turísticos”, realçou, acrescentando que, no âmbito do combate à criminalidade grave e violenta, foram realizadas mais 284 detenções em 2015, comparando com o período homólogo de 2014.


Quanto à atividade de investigação criminal em 2014, disse, 10.606 processos-crime foram concluídos, bem como foram realizadas 572 buscas, das quais 467 domiciliárias, e executadas 706 detenções.

Nestas operações, sublinhou ainda, foram apreendidas 374 armas de fogo, 10.552 munições, 80 viaturas e 42,5 quilogramas de drogas, quantidade suficiente para cerca de 250 mil doses individuais.

Para o comandante, “a atividade policial é cada vez mais complexa”, requerendo “respostas especializadas, integradas, inovadoras e imediatas”.

“As referidas práticas e resultados só foram possíveis de alcançar e manter devido aos elevados níveis de organização e forte cultura institucional, muito potenciados pelo grande profissionalismo, disciplina, coesão e espírito de missão revelados, em permanência, na incomparável dedicação à causa pública de todos os que servem e serviram no Comando Metropolitano do Porto”, concluiu.