O Ministério Público acusou esta sexta-feira oito pessoas pertencentes a um grupo que, durante quatro anos, realizou vários assaltos em centros comerciais do país.

Segundo a Procuradoria-Geral Distrital de Lisboa (PGDL), quatro deles já estão em prisão preventiva desde maio. Os oito são acusados dos crimes de furto qualificado, violência após a subtração e detenção de arma proibida.

O MP considera que ficou indiciado que os arguidos «agiam em grupo, de forma sistemática e planeada, com a finalidade de se apropriarem ilicitamente de bens e valores existentes em lojas» dos centros comerciais, cita a Lusa.

A PGDL adianta que escolhiam estes locais por serem de «maior facilidade de atuação criminosa», dado o grande movimento de pessoas e características das lojas, além de utilizarem um modo de atuação «dissimulado e adequado a ludibriar os seguranças e os sistemas de deteção».

Nos casos em que foram surpreendidos, os arguidos reagiram com violência e conseguiam pôr-se em fuga, dispondo sempre de viaturas de apoio nos locais.

Os arguidos «viveram exclusivamente» dos lucros desta atividade criminosa entre 2010 e março de 2014, estendendo a atividade criminosa a centros comerciais localizados em todos país, nomeadamente Setúbal, Almada, Sesimbra, Barreiro, Mem Martins, Seixal, Amadora, Loures, Gondomar, Braga, Santa Maria da Feira, Vila Nova de Gaia, Aveiro e Lisboa.

A PGDL refere ainda que foram realizadas buscas domiciliárias aos arguidos a 14 de maio deste ano com a apreensão de inúmeros objetos produto dos furtos.