O advogado de José Sócrates, João Araújo, recusou responder às questões dos jornalistas à saída do Campus de Justiça, remetendo uma declaração mais alargada para este domingo.

«Os senhores deixam-me em paz e amanhã, eventualmente, farei uma declaração mais completa», afirmou.


João Araújo não esclareceu se o inquérito ao antigo primeiro-ministro vai continuar este domingo, nem sequer confirmou se a diligência já tinha efetivamente começado.

«Não sei se começou ou não. Agora vou para sopas e descanso. [...] Não respondo, ponto.»

José Sócrates foi detido esta sexta-feira no âmbito de um processo em que se investigam crimes de fraude fiscal, branqueamento de capitais e corrupção. É a primeira vez na história da democracia portuguesa que um ex-primeiro-ministro é detido para interrogatório judicial.