Uma cidadã portuguesa de 37 anos de idade foi acusada formalmente este sábado, pelo Ministério Público da Venezuela, de tráfico ilícito de substâncias estupefacientes e psicotrópicas.

A audiência teve lugar no Tribunal 2º de Controlo do Estado de Vargas (30 quilómetros a norte de Caracas), que ordenou que a portuguesa cumpra pena de prisão no Instituto Nacional de Orientação Feminina (INOF), um estabelecimento prisional feminino localizado em Los Teques, 35 quilómetros a sul da capital.

Segundo as investigações preliminares, a portuguesa foi detida a 26 de agosto último por elementos da Unidade Especial Anti Drogas, da Guarda Nacional Bolivariana (GNB), polícia militar) no Aeroporto Internacional Simón Bolívar de Maiquetía, a norte de Caracas.

Natural do Porto, a portuguesa preparava-se para apanhar um voo da Tap para Lisboa e no momento da detenção tinha uma faixa no abdómen e nas pernas com 20 barras que pesavam na totalidade 4,16 quilogramas de cocaína.

Funcionários de um posto de controlo da GNB viram «uma atitude suspeita» da portuguesa pelo que decidiram revistá-la, encontrando a droga.

A legislação venezuelana prevê até 25 anos de prisão para delitos de tráfico de droga.