A Polícia Judiciária (PJ) anunciou ter detido esta quinta-feira, na Figueira da Foz, um homem suspeito dos crimes de coação sexual, burla, extorsão e falsidade informática de que foi vítima uma mulher residente na zona de Aveiro.

De acordo com a PJ, o detido, com 31 anos e antecedentes criminais do mesmo tipo, adquiriu "sem pagar" um telemóvel à vítima, "do qual retirou ficheiros de imagens comprometedoras para aquela, que, inadvertidamente, não haviam sido apagadas".

Na posse dos contactos da mulher e das imagens, o homem ameaçou com a "divulgação generalizada" das fotografias e chantageou a mulher "quer nas redes sociais quer em contactos diretos" que levaram a que recebesse quantias em dinheiro em montante não divulgado.

Ainda de acordo com a PJ, "nos últimos dias e aproveitando a situação de pânico" em que a vítima se encontrava, o suspeito "aumentou a pressão de tal forma que, explicitamente, passou a exigir que aquela se disponibilizasse para a prática de atos de natureza sexual".

Perante estas ameaças, a mulher contactou as autoridades e o suspeito veio a ser detido por elementos do Departamento de Investigação Criminal de Aveiro da Polícia Judiciária.

Embora os crimes de que o suspeito está indiciado tenham sido praticados "de forma continuada, pelo menos desde o Verão do ano passado", fonte da PJ, ouvida pela Lusa, afirmou que a denúncia "é recente".

"Pensou que com o pagamento das quantias em dinheiro o assunto se resolvia, mas quando o homem passou a exigir a prática de atos sexuais [a mulher] entrou em desespero", argumentou.

A investigação da PJ levou à detenção do suspeito, residente na zona da Figueira da Foz, "logo após a denúncia dos factos" e ainda na posse dos instrumentos informáticos utilizados na chantagem.

Na nota de imprensa, a Polícia Judiciária recomenda "uma vez mais o extremo cuidado que todos devem ter em apagar, de forma segura, todos os seus dados e ficheiros de quaisquer suportes eletrónicos", como telefones, computadores, consolas, ‘tablets', discos rígidos e outros similares que pretendam vender a terceiros, "atento o tipo de uso a que esses dados e ficheiros podem estar sujeitos e que podem causar graves danos, quer no plano pessoal quer no plano profissional".

Adianta que o detido vai ser presente a primeiro interrogatório judicial na comarca de Aveiro, para determinação e aplicação de eventuais medidas de coação.