As buscas marítimas para encontrar os cinco jovens desaparecidos foram este domingo retomadas, entre a Praia do Meco e o Cabo Espichel, depois de interrompidas devido ao mau estado do mar, disse à Lusa o capitão do Porto de Setúbal.

As buscas para encontrar os corpos dos cinco jovens desaparecidos no dia 15 no Meco envolvem a corveta Jacinto Cândido e a lancha de fiscalização Águia, da Marinha, segundo a mesma fonte.

As buscas por terra mantiveram-se durante toda a semana, mas no mar estiveram suspensas devido à agitação marítima.

Na praia, estão meios da Autoridade Marítima: motas no areal e veículos todo-o-terreno na costa a sul da Praia das Bicas, onde o piso é mais rochoso e de falésias.

«A expetativa é que nos próximos dias os corpos atinjam a costa», indicou o capitão Lopes da Costa, com base na experiência do que acontece na maioria dos casos.

Os meios da Marinha vão manter-se no mar até ao por do sol.

Os cinco jovens desaparecidos - quatro raparigas e um rapaz - integravam um grupo de sete alunos da Universidade Lusófona que tinha alugado casa em Alfarim para passar um fim de semana naquela zona do concelho de Sesimbra e que foram arrastados por uma onda, na praia do Meco.

Um dos jovens arrastados conseguiu sair da água por meios próprios e alertar as autoridades para a tragédia que ocorreu cerca da 01:00 da madrugada de domingo passado e que provocou um morto, encontrado na manhã do mesmo dia, e cinco desaparecidos.