Atualizada às 23h36

Quatro famílias ficaram desalojadas, esta quinta-feira, na sequência dos ventos fortes sentidos nas ilhas Terceira e São Jorge, nos Açores, revelou o presidente do Serviço Regional de Proteção Civil e Bombeiros dos Açores (SRPCBA).

«Houve o registo de 67 situações, nomeadamente queda de árvores, danos em veículos causados pela queda das mesmas e casas destelhadas», referiu à Lusa José Dias.

O presidente do SRPCBA frisou que o caso «mais preocupante e que mais cuidado inspirou» aconteceu com as quatro famílias desalojadas naquelas ilhas do grupo central do arquipélago e que foram transferidas para casas de familiares. «Não há qualquer tipo de dano físico a registar, apenas danos materiais», disse José Dias.

O presidente do SRPCBA referiu que a última informação que teve acesso do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) revela «uma melhoria significativa das condições climatéricas no grupo ocidental a partir das 19:00 dos Açores [20:00 no continente] e do grupo central a partir das 20:00/21:00 locais».

Por outro lado, e de acordo com o IPMA, o agravamento do tempo far-se-á sentir nas ilhas do grupo oriental até às 23:00 (meia-noite no continente), prevendo-se para a ilha de São Miguel ventos constantes na ordem dos 78 quilómetros por hora, com rajadas até aos 130 quilómetros por hora.

Para Santa Maria, a previsão é de ventos de 80 quilómetros por hora, com rajadas até aos 145 quilómetros por hora.

Condições meteorológicas registam «melhoria significativa»

As condições meteorológicas nos Açores registaram uma «melhoria significativa» nas últimas horas, disse o presidente do Serviço Regional de Proteção Civil e Bombeiros dos Açores (SRPCBA).

De acordo com o presidente da Proteção Civil Regional e dos Bombeiros dos Açores, em declarações ao TVI24, «foram registadas rajadas de vento na ordem dos 180 quilómetros/hora» e ondas de cerca de «10 a 12 metros».