Portugal perderá população até 2080, passando dos atuais 10,3 milhões para 7,7 milhões de residentes, ficando abaixo dos 10 milhões já em 2033, de acordo com as estimativas hoje divulgadas pelo Instituto Nacional de Estatística (INE).

No futuro, mantém-se o declínio populacional e o agravamento do envelhecimento demográfico”, antevê o INE.

O número de jovens diminuirá de 1,4 milhões para 900.000, segundo a mesma fonte. Já o número de idosos deverá aumentar de 2,2 milhões para 2,8 milhões.

As estimativas da população residente em Portugal 2017, hoje divulgadas, dão conta de menos 18.546 pessoas, face a 2016.

A população residente em Portugal situa-se agora em 10.291.027 pessoas, 4.867.692 homens e 5.423.335 mulheres.

Apesar da redução do número de óbitos de residentes em Portugal para 109.586 (menos 0,9% do que os 110.573 óbitos registados em 2016), a diminuição no número de bebés de mães residentes no país para 86.154 (menos 1,1%), contribuiu para que o saldo natural se mantivesse com valor negativo.

Por oposição, destaca o INE, após seis anos de crescimento negativo, o saldo migratório apresentou em 2017 um valor positivo (+ 4.886), “resultado da conjugação da diminuição da emigração permanente (31.753 emigrantes, contra 38.273 estimados para 2016) e do aumento da imigração permanente (36.639 imigrantes, contra 29.925 em 2016)”.

O instituto indica ainda que o número estimado de emigrantes temporários continua a ser superior ao de emigrantes permanentes, situando-se em 49.298, um decréscimo de 16,3% face ao valor de 2016 (58.878).

O envelhecimento demográfico é transversal a todos os países da União Europeia, mas Portugal apresentava em 2016 uma proporção de jovens inferior à média da UE28, “a terceira mais baixa (14%)”, assinala o INE, que cita dados do Eurostat.

Naquele ano, a maior proporção de jovens na população, encontrava-se na Irlanda (21,1%) enquanto a Alemanha detinha a percentagem mais baixa: 13,4%.

No que respeita à população idosa, Portugal encontrava-se acima da média, sendo o quarto país com mais idosos entre a população, “apenas ultrapassado pela Alemanha, Grécia e Itália”.

Desde 2000 que o número de idosos é superior ao de jovens. Em 2007, por cada 100 jovens, residiam em Portugal 114 idosos, valor que aumentou para 155 no ano passado.

As projeções do INE indicam que o índice de envelhecimento poderá duplicar entre 2017 e 2080, passando de 155 para 309 idosos por cada 100 jovens.

O número médio de filhos situou-se em 1,37 por mulher, em 2017, ligeiramente acima do registado em 2016 (1,36).

Outro fator de pressão demográfica é assinalado pelo índice de dependência total: Por cada 100 pessoas em idade ativa, em 2007 residiam em Portugal 50 jovens e idosos, número que aumentou para 55 em 2017.

As projeções até 2080, agora atualizadas, dão conta de saldos migratórios sempre positivos.