«Desconformidades sistemáticas da escala de urgência, nomeadamente do Atendimento Geral e do Atendimento Pediátrico», são também anomalias indicadas pelos clínicos, que consideram que «a degradação põe em risco a segurança dos doentes que recorrem ao Serviço de Urgência».

«Apesar de ter havido orientações da tutela para o reforço das equipas de urgência para o cumprimento do Plano de Inverno 2015, e de ter havido reuniões internas ao abrigo desse mesmo plano, não só não se verificou o reforço das equipas, como continuam a ser sistemáticas as desconformidades da escala de urgência, sendo frequente existir um só elemento escalado para o Atendimento Geral durante o dia e durante a noite.»


«O conselho de administração, no âmbito das suas competências, tomou decisões sobre a contratação externa de médicos para o Serviço de Urgência, sem ouvir ou levar em consideração a opinião dos responsáveis intermédios», afirmam.








Conselho de Administração nega acusações







Sete chefes do Serviço de Urgências demitiram-se na segunda-feira, dia 26 de janeiro

diretores de serviço do Hospital Amadora-Sintra

Miguel Oliveira e Silva demitiu-se apenas três meses depois de ter assumido o cargo

demissão de diretores nos hospitais não se transforme numa nova forma de gestão hospitalar