«Temos milhares de evidências de crianças que deixaram de ter os apoios que precisam por causa dessas alterações», disse à agência Lusa o presidente da associação, que vai ser recebido em audiência na Comissão Parlamentar da Segurança Social e Trabalho.











«Quando estamos a falar da saúde das crianças e do seu acesso à saúde e à segurança social a Assembleia da República tem a obrigação de intervir e desde já apurar aquilo que está a acontecer», sustentou.


«A Segurança Social e a Direção-Geral dos Estabelecimentos Escolares implementaram estas alterações sem ter havido qualquer alteração legislativa, o que significa que mudaras as regras sem mudarem as leis», lamentou Bruno Carvalho.