A Marinha assumiu esta quinta-feira «todas as responsabilidades pelos atrasos» na publicação das listas ordenadas dos primeiros-sargentos que atrasam o pagamento de parte do vencimento a militares, recusando comentar se já dera «informações formais» às associações militares.

Contactado pela agência Lusa, o gabinete do chefe de Estado-Maior da Armada recusou fazer qualquer comentário, remetendo para as palavras do almirante Melo Gomes que disse na quarta-feira «assumir todas as responsabilidades pelos atrasos, pelo que corre bem e menos bem na Marinha», comprometendo-se «a entregar as listas ordenadas até meados de Março».

Por seu lado, o secretário de Estado da Defesa, Mira Gomes, confirmou à Lusa que «de facto existe um problema na transmissão de dados da Marinha para os outros ramos, Exército e Força Aérea, sobre as actualizações remuneratórias dos militares».

«A Marinha informou o Ministério, que tem acompanhado este assunto que é da responsabilidade dos ramos, que esta situação estaria resolvida dentro de alguns dias», afirmou João Mira Gomes.

Questionado sobre se a Marinha teria dado explicações «formais» às associações militares e nomeadamente à Associação Nacional de Sargentos (ANS) sobre a resolução deste problema, o secretário de Estado declarou: «A informação que tenho é que foi informada pela Marinha. Se o presidente da ANS acha que não foi informado tem de resolver isso com a Marinha».

Manifestação

Numa manifestação com cerca de 30 militares em frente ao Ministério da Defesa, o presidente da ANS, Lima Coelho, disse à Lusa que a Marinha já «tinha prometido» resolver os atrasos na publicação das listas ordenadas dos primeiros-sargentos até final de 2008, sendo que actualmente «milhares de militares não estão a receber os vencimentos na totalidade».

«Tudo isto é lamentável, para ver prontidão nas respostas é preciso chegar a isto, para ter resposta a uma situação que já vem desde 2007», criticou António Lima Coelho.

Em seguida, o presidente da Associação quis responder à Marinha, que na segunda-feira reconheceu os «atrasos» e afirmou já ter comunicado à ANS que esta situação estaria resolvida até «meados de Março».

«Eu congratulo-me que a situação já esteja a ser resolvida mas lamento que tenham passado dois anos para resolverem uma matéria que está na lei desde 1997», referiu Lima Coelho.