Um homem de nacionalidade ucraniana foi acusado de 15 crimes de falsificação de documento, comunicou esta segunda-feira o Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP).

Com o documento falso, «supostamente emitido pela República da Polónia», o arguido «inscreveu-se com identidade falsa» nas Finanças de Ourém e abriu conta uma bancária naquela localidade do distrito de Santarém, em 2008.

O DCIAP investigou depósitos no valor global de 203.700 euros provenientes de uma conta bancária da Dinamarca.

Por 13 vezes, o arguido realizou «levantamento em numerário» em Lisboa, identificando-se «sempre com identidade falsa».

Além da perícia ao computador pessoal do arguido e do equipamento apreendido, o DCIAP enviou carta rogatória às autoridades dinamarquesas.