O presidente do Instituto Português do Sangue e da Transplantação (IPST) afirmou esta terça-feira que o nível de reservas de sangue está estável, tecendo como objetivo a maximização do aproveitamento do plasma.

As dádivas estão estabilizadas. Nesta década, tem havido uma diminuição das dádivas e das colheitas, mas essa diminuição tem decorrido de forma paralela à diminuição das necessidades", disse o presidente do IPST, João Paulo Sousa, que falava à agência Lusa à margem da cerimónia de comemoração do Dia Nacional de Dador de Sangue, que decorreu hoje em Coimbra, no Convento São Francisco.

Segundo João Paulo Sousa, não há motivo "para preocupação".

A nossa preocupação é mantermos um nível de colheitas de sangue que permita cobrir as necessidades. É isso que se verifica na prática", referiu.

Como desafio para o futuro, o líder da instituição elegeu o aproveitamento do plasma, apontando para o facto de que Portugal vai ter "pela primeira vez" medicamentos derivados do plasma português, no final do segundo semestre.

Em 2019, o IPST vai dar continuidade a esse programa de fracionamento do plasma com a utilização do plasma do instituto, mas também dos hospitais, referiu.

João Paulo Sousa sublinhou que Portugal "é autossuficiente em plasma para transfusão", mas não é autossuficiente em medicamentos derivados do plasma.

No entanto, face à escala do país, não será nunca possível "atingir o pleno dos medicamentos derivados do plasma português", notou.

Apesar disso, o presidente do IPST sublinhou que se terá que começar a aumentar a aférese (processo de separação dos diversos elementos do sangue), advertindo que, por mais sessões de colheita que se façam por aférese, o país nunca será autossuficiente na produção de medicamentos através de plasma português.

É uma questão de escala", explicou.