D. Manuel III lamenta que haja «dois pesos e duas medidas» no que toca às questões da sexualidade. O novo Patriarca de Lisboa considera que «se há uma grande aceitação social da pluralidade (...), depois quando algum fraqueja, cai-lhe tudo em cima com uma força, que é um pouco contraditório».

Ainda assim, em entrevista ao «Diário de Notícias», D. Manuel III considera que os escândalos de pedofilia e em torno de alegados lóbis gay em nada beneficiam a imagem da Igreja e do Vaticano. Questionado se existem lóbis gay na igreja católica portuguesa, o patriarca diz desconhecer qualquer situação nesse sentido e responde com outras perguntas: «lóbi para quê? Pressão para quê?».

D. Manuel III indigna-se sobretudo com questões ligadas à pedofilia, dizendo que «é uma tristeza quando isso acontece, sobretudo quando é na Igreja. Está-se a falar dos mais fracos e das crianças».

Sobre a atual situação política que o país atravessa, D. Manuel III insta a um entendimento, «porque é fundamental por o país a trabalhar». «Estou confiante que, nesta ocasião, os partidos políticos, concretamente aqueles que se comprometeram diretamente com a União Europeia e o Fundo Monetário Internacional, se reencontrem no ponto em que assinaram esses acordos», disse, alertando que «a nossa dependência continua a ser muito grande.