O Sindicato dos Enfermeiros Portugueses (SEP) avisou esta sexta-feira que a falta de profissionais no serviço de cirurgia 7 do hospital Curry Cabral, em Lisboa, coloca em risco os doentes.

«Desde junho de 2013 que desta equipa de enfermagem têm saído elementos que não foram substituídos, apesar das diligências e sucessivos alertas de responsáveis», refere uma nota do SEP divulgada esta sexta-feira.

Segundo o sindicato, a equipa de enfermagem da cirurgia 7 do Curry Cabral encontra-se em exaustão e «não estão garantidas as condições de segurança e qualidade dos cuidados de enfermagem aos doentes internados».

A equipa é atualmente composta por 27 enfermeiros, quando deveria ser constituída por 47, segundo números do SEP que se reportam à norma para o cálculo de dotações seguras dos cuidados.

A atual equipa «não tem capacidade para garantir cuidados de segurança e qualidade a que os doentes têm direito», refere a nota.

Perante o número de profissionais atuais, e caso não haja reforço, os enfermeiros da cirurgia 7 do Curry Cabral dizem que o número de doentes tem de ser reduzido para 32, quando atualmente estão em internamento 56 pessoas.

«O SEP responsabiliza a Administração Regional de Saúde (ARS) de Lisboa e Vale do Tejo enquanto responsável máximo na região (...). Neste contexto responsabiliza também o presidente da ARS e o ministro da Saúde por toda e qualquer intercorrência negativa que possa acontecer decorrente da subdotação de enfermeiros e sobredotação de doentes», indica a nota.

A Lusa contactou a Administração Regional de Saúde (ARS) de Lisboa e Vale do Tejo, mas até ao momento não obteve resposta sobre esta questão.