Os médicos de família vão passar a ter um «guia de bolso» para prescrever cuidados respiratórios domiciliários, terapêuticas que são feitas atualmente em casa por cerca de 100 mil portugueses.

 

Segundo o presidente da Sociedade Portuguesa de Pneumologia, Carlos Robalo Cordeiro, o objetivo deste guia é que os médicos de clínica geral e familiar tenham sempre disponível informação organizada e simples sobre os cuidados respiratórios no domicílio.

 

Os cuidados respiratórios domiciliários (como terapia com oxigénio e aerossóis) são inicialmente prescritos por um médico especialista, mas a continuidade destes cuidados é feita pelos médicos de família.

 

O guia, apresentado em conjunto com a Associação Portuguesa de Medicina Geral e Familiar, vem definir de forma simples as boas práticas nos cuidados de saúde respiratórios feitos em casa e contém também uma parte específica destinada à idade pediátrica.

 

A Sociedade Portuguesa de Pneumologia lembra que a passagem destes tratamentos do meio hospitalar para o domicílio «promove melhor integração familiar e social dos doentes crónicos» e contribui ainda para uma redução de custos do Serviço Nacional de Saúde.

 

Perturbações respiratórias do sono, doença pulmonar obstrutiva crónica ou asma são algumas das doenças onde podem ser prescritos os cuidados respiratórios no domicílio.