O Sindicato dos Trabalhadores de Call Center acusou a empresa José de Mello Saúde de “terrorismo psicológico e de não cumprir a lei ao esconder tabelas salariais", adiantando que já denunciou a situação ao Ministério do Trabalho.

Os trabalhadores do Call Center da José de Mello Saúde, que atendem as linhas de apoio dos Hospitais e Clínicas CUF, e o Sindicato dos Trabalhadores de Call Center estão num braço-de-ferro há vários meses. A José Mello Saúde, no seu call center, não cumpre a lei nem respeita os trabalhadores”, disse à agência Lusa o presidente do sindicato.

De acordo com Danilo Moreira, na empresa José de Mello Saúde (JMS), que gere os hospitais CUF, “existe precariedade, salários baixos, pressão e stress constante”.

O sindicalista acusou a JMS de “esconder as tabelas salariais dos cerca de 250 trabalhadores, o que é ilegal”.

“Os trabalhadores sabem que, eventualmente, podem progredir na carreira, não sabem quando, quanto podem vir a receber e que metas devem cumprir para serem promovidos. Um verdadeiro terrorismo psicológico contra os trabalhadores. A grande maioria mulheres, mães, muitas vezes solteiras. E a JMS, além de esconder as tabelas salariais, não permite a progressão dos trabalhadores que faltaram nos últimos anos, mesmo que justificadamente”, disse.

Segundo Danilo Moreira, as trabalhadoras que foram mães "não veem o salário aumentado, devido a terem beneficiado de licença de maternidade. Isto numa empresa que diz incentivar a maternidade”, acrescentou.

O presidente do sindicato contou também que os trabalhadores estão também “a ser lesados em centenas de euros” devido à transferência de local de trabalho.

“Há alguns meses, no call center da Mello Saúde, foram deslocadas pessoas, que estavam em Oeiras, para Moscavide. São trabalhadores que estão na empresa há uns anos com direito a apoio à deslocação. Pela lei, a empresa deve compensar monetariamente o acréscimo na deslocação dos trabalhadores e isso não está a ser feito”, disse.

Por causa desta situação, salientou o responsável, “os trabalhadores estão a ter dificuldades em suportar os custos da deslocação, tendo alguns ponderado o despedimento por não conseguirem fazer face à situação”.

Danilo Moreira adiantou que o sindicato conseguiu reunir-se com a direção da empresa a01 de abril, tendo-lhes sido feitas “promessas de que tudo iria melhorar, o que não aconteceu”.

Carta ao Ministério do Trabalho

“Por isso, foram enviadas cartas na quarta-feira a denunciar a situação ao ministro do Trabalho e à Autoridade para as Condições do Trabalho”, disse. O Sindicato pretende, disse Danilo Moreira, “transparência na informação junto dos trabalhadores” e que seja “aplicada a lei”.

“Vamos aguardar por uma resposta da ACT e do ministério. Se a situação não for resolvida poderemos recorrer a outras instâncias, como o Tribunal o Europeu”, conclui.

A agência Lusa tentou, sem sucesso, obter comentários junto do gabinete de comunicação da empresa José Mello de Saúde.