O Supremo Tribunal de Justiça (STJ) manteve a pena de 19 anos de prisão aplicada ao homem condenado por mais de 7.200 crimes de abuso sexual de crianças, disse hoje à agência Lusa fonte judicial.

José Campos, informático de 54 anos, morador em Benfica, Lisboa, foi julgado em janeiro por mais de 7.200 crimes de abuso sexual de seis crianças, e de mais de 156 mil de pornografia de menores: três rapazes e três raparigas, que aliciava com guloseimas, jogos de computadores, criando em sua casa um espaço acolhedor.

O Ministério Público (MP) e o advogado de defesa recorreram da decisão para o STJ. O MP considerava a condenação «leve», enquanto o defensor do arguido sustentava que a mesma era «exagerada». A mesma fonte judicial acrescentou à Lusa que ambos os recursos foram rejeitados, mantendo o STJ a condenação de 19 anos de prisão determinada pelo tribunal de primeira instância.

O homem praticou, entre 2007 e 2011, atos de natureza sexual, relações sexuais e masturbação com os menores que, à data dos factos, tinham entre três e 12 anos.