Dois homens e duas mulheres foram mortalmente baleados, esta manhã, num café da freguesia de Estela, na Póvoa de Varzim, disse à TVI24 fonte dos bombeiros da Póvoa de Varzim. Há ainda um menor ferido, de 16 anos, segundo o INEM, que está a ser acompanhado por um psicólogo no local.

As vítimas são os ex-sogros, de cerca de 70 anos, a ex-mulher, com 40/50 anos e um enteado de 23 anos, adiantou o Comando Territorial do Porto da GNR à TVI24.

A GNR confirmou, entretanto, à TVI24 que o autor dos disparos foi detido. O homem, de 40/50 anos, encontrava-se em fuga em direção a Espanha quando se viu envolvido num acidente de viação, que acabou por levar à sua detenção, cerca das 10:15, à entrada da ponte internacional de Valença.



Segundo o Comando Territorial da GNR do Porto o suspeito assumiu a autoria do crime no momento da sua detenção, disse o tenente-coronel Silva Ferreira. De acordo com esta fonte, o suspeito “não ofereceu resistência, assumiu a autoria do crime” e tinha na sua posse duas armas de fogo, “uma pistola 6.35 e um revolver .32”.

Segundo o tenente-coronel Silva Ferreira, “havia uma queixa recente apresentada na GNR, mas “nada apontava para um desfecho destes”.

O tenente-coronel Silva Ferreira, esclareceu também que duas das vítimas terão sido mortas no interior do café, propriedade dos ex-sogros do suspeito.

As outras duas vítimas terão sido baleadas no interior da residência da família, que tinha ligação direta ao estabelecimento.

A mesma fonte disse ainda à Lusa que os filhos do suspeito, entretanto detido, um rapaz de 16 anos e uma menina de 10, estão a ser acompanhados por uma equipa de psicólogos do Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM).

O rapaz encontrava-se no café onde ocorreu o crime, que vitimou a mãe, os avós e um meio-irmão, mas não sofreu qualquer ferimento. Já o INEM, afirmou à TVI24 que o adolescente sofreu ferimentos ligeiros.

Segundo testemunhos recolhidos pela Lusa no local, o jovem terá fugido do café para pedir socorro aos vizinhos.

O detido e a ex-mulher, que estavam separados, tinham uma outra filha comum, de 10 anos, que se encontrava na escola no momento do quadruplo homicídio, segundo a GNR.

Vizinhos das vítimas contaram que o suposto autor do crime terá tentado ir buscar a filha à escola, mas não terá sido autorizado. Outras fontes indicaram que a tentativa de levar a filha da escola ocorreu depois do homicídio.

Uma vizinha relatou à TVI que o motivo do crime poderá estar relacionado com a partilha dos bens do casal. Os bens seriam uma casa e um terreno contíguo, com pavilhões industriais para arrendar.

O quádruplo homicídio ocorreu no Café S. Tomé, na freguesia de Estela. O alerta foi dado às 9:25 desta manhã.