O início do julgamento de um professor acusado de ter assassinado os dois irmãos, numa padaria do Porto, foi esta terça-feira adiado no Tribunal de São João Novo. O objectivo é determinar a eventual inimputabilidade do arguido, noticia a Lusa.

O Ministério Público (MP) requereu a realização de três exames ao fratricida; electro-encefalograma, estudo neuropsicológico experimental e estudo psicométrico de personalidade. Os exames médicos foram sugeridos pelo perito que realizou o relatório de psiquiatria forense, integrante no processo, e que não foi conclusivo.

Uma fonte judicial refere que em causa está a amnésia do arguido, apenas relativa ao momento do crime, apontando para uma imputabilidade diminuída.

Os factos datam de 12 de Março de 2008 quando Arnaldo F. matou os dois irmãos na padaria Formosa, no Porto, propriedade da família. Na origem do crime estarão questões relacionadas com partilha de bens.

O duplo homicídio ocorreu cerca das 10:30, quando o estabelecimento comercial já se encontrava aberto. Arnaldo F., acusado de dois crimes de homicídio simples, terá tentado suicidar-se após o sucedido.

O início do julgamento ficou agora agendado para 14 de Abril, no Tribunal de São João Novo, já que a realização dos exames complementares poderá demorar um mês.

Apesar do arguido se encontrar em prisão preventiva, a defesa solicitou que o julgamento apenas comece após serem conhecidos os resultados dos exames, alegadamente «por uma questão estratégica».