O Ministério Público (MP) acusou o homem que em maio esfaqueou a mulher na Rua Augusta, em Lisboa, na clínica dentária de que a cônjuge era proprietária, indica esta terça-feira a Procuradoria-Geral Distrital de Lisboa (PGDL).

Marcos Camargo, de 40 anos, estava em prisão preventiva desde maio, após primeiro interrogatório judicial, «por fortes indícios da prática do crime de homicídio qualificado» de Luana Canargo, dentista de 28 anos, segundo um comunicado emitido, na altura, pela Procuradoria-Geral da República (PGR).

Na página da internet, a PGDL refere que o homem, munido de uma faca de cozinha, dirigiu-se, a 28 de maio, à clinica dentária onde a sua mulher trabalhava, na rua Augusta, em Lisboa, e esfaqueou-a «com golpes violentos no pescoço, tórax e braços», causando-lhe a morte.

A PGDL adianta que o arguido «agiu por não se conformar com a intenção» da mulher de querer divorciar-se, sublinhando que anteriormente, durante a vida de casados, o homem cometera «atos de agressão física, de ameaça e de controlo da vida da vítima».

Segundo a PGDL, o arguido é acusado dos crimes de homicídio qualificado e de violência doméstica.

O MP requereu ainda a aplicação de pena de expulsão do país, uma vez que o arguido é um cidadão estrangeiro.