Polícias de 52 países prenderam mais de 300 pessoas pertencentes a vários grupos criminosos a atuar em rede, numa operação que se prolongou 24 horas por dia ao longo de uma semana, anunciou a Europol, nesta quarta-feira.

O objetivo da operação foi a “destruição das redes criminosas mais perigosas atualmente em atividade”, ligadas à imigração ilegal, tráfico de seres humanos, droga e cibercriminalidade, indicou a polícia europeia em comunicado, citado pela agência France Presse.

Foram encontradas 529 vítimas de tráfico em casas fechadas e salões de massagem, 324 pessoas foram presas e apreendidas 2,4 toneladas de cocaína.

A operação Ciconia Alba, coordenada a partir da sede da Europol, em Haia, deu um "grande golpe aos grupos de crime organizado a atuar em toda a União Europeia e para lá dela".

Os alvos foram bairros problemáticos, locais de prostituição, salões de massagem, assim como aeroportos e centros de acolhimento de imigrantes.

As redes de tráfico provenientes da Nigéria, Ásia e Europa de Leste são as mais ativas na União Europeia, segundo dados da operação, que juntou os países da UE e 24 países fora Europa, entre os quais Equador, Indonésia, Nigéria, Estados Unidos e Emirados Árabes Unidos.