logotipo tvi24

Organização do ano letivo «não é matéria de negociação sindical»

Posição defendida pelo Ministério, depois de a Fenprof ter admitido contestar em tribunal um despacho que altera a carga horária dos professores

Por: tvi24 / MM    |   2012-06-06 13:11

O Ministério da Educação defendeu hoje que a organização do ano letivo «não é matéria de negociação sindical», depois de a Fenprof ter admitido contestar em tribunal um despacho que altera a carga horária dos professores.

De acordo com uma nota enviada à agência Lusa pelo Ministério da Educação, a organização do ano letivo «não é matéria de negociação sindical» e os horários dos professores estão definidos no Estatuto da Carreira Docente, «que foi negociado com as organizações representativas dos professores».

O ministério de Nuno Crato reagia assim ao aviso da Fenprof que admitiu interpor uma providência cautelar para suspender o despacho sobre a organização dos horários nas escolas a partir do próximo ano letivo, publicado na terça-feira à noite na edição eletrónica do Diário da República.

No despacho emitido pelo MEC pode ler-se que, a partir do próximo ano letivo, cada escola passa a decidir a duração dos tempos letivos, a gestão das cargas curriculares de cada disciplina, a gestão dos seus recursos humanos e as opções nas ofertas curriculares obrigatórias ou complementares.

O documento define ainda o mecanismo de apuramento das horas de crédito horário semanal a atribuir às escolas e agrupamentos, visando reforçar o exercício da sua autonomia pedagógica e organizativa. O crédito horário semanal destina-se a possibilitar às escolas o desenvolvimento de projetos próprios.

Partilhar
EM BAIXO: Nuno Crato
Nuno Crato

Uma centena de condutores detidos com álcool
Ao todo, foram detidas 144 pessoas no fim de semana só pela GNR. Um dos detidos está indiciado por homicídio
Corpo do pescador desportivo foi encontrado
Homem estava desaparecido no Tejo desde sábado
Quatro mortes nas praias portuguesas
Um balanço ainda assim positivo, já que representa menos sete casos do que no ano passado
EM MANCHETE
KPMG recusa validar contas do BES
Auditora enviou comunicado à CMVM onde explica as bases para a escusa. Contas somaram prejuízos de 3,6 mil milhões de euros
PSI-20 recupera metade do que perdeu com o BES
Marcelo considera que Seguro teve uma «boa ideia»