Organização do ano letivo «não é matéria de negociação sindical»

Posição defendida pelo Ministério, depois de a Fenprof ter admitido contestar em tribunal um despacho que altera a carga horária dos professores

Por: tvi24 / MM    |   6 de Junho de 2012 às 13:11
O Ministério da Educação defendeu hoje que a organização do ano letivo «não é matéria de negociação sindical», depois de a Fenprof ter admitido contestar em tribunal um despacho que altera a carga horária dos professores.

De acordo com uma nota enviada à agência Lusa pelo Ministério da Educação, a organização do ano letivo «não é matéria de negociação sindical» e os horários dos professores estão definidos no Estatuto da Carreira Docente, «que foi negociado com as organizações representativas dos professores».

O ministério de Nuno Crato reagia assim ao aviso da Fenprof que admitiu interpor uma providência cautelar para suspender o despacho sobre a organização dos horários nas escolas a partir do próximo ano letivo, publicado na terça-feira à noite na edição eletrónica do Diário da República.

No despacho emitido pelo MEC pode ler-se que, a partir do próximo ano letivo, cada escola passa a decidir a duração dos tempos letivos, a gestão das cargas curriculares de cada disciplina, a gestão dos seus recursos humanos e as opções nas ofertas curriculares obrigatórias ou complementares.

O documento define ainda o mecanismo de apuramento das horas de crédito horário semanal a atribuir às escolas e agrupamentos, visando reforçar o exercício da sua autonomia pedagógica e organizativa. O crédito horário semanal destina-se a possibilitar às escolas o desenvolvimento de projetos próprios.
PUB
EM BAIXO: Nuno Crato
Nuno Crato

COMENTÁRIOS

PUB
Cavaco Silva prefere eleições legislativas em outubro

Presidente da República lembra que legislativas de 2009 foram as únicas que se realizaram em setembro. Sem revelar a data que prefere, acaba por assumir que é outubro. Chefe de Estado não quer partidos a entregar as listas nas férias, nem que se faça campanha "nas praias". Preferência de Cavaco Silva foi revelada numa conversa informal com os jornalistas durante a viagem de avião que o levou domingo até à Noruega. Na mesma conversa, PR admitiu ainda que a lei da cobertura das campanhas eleitorais é a “mais anacrónica que existe”