A infância roubada às crianças da Costa do Marfim, muitas delas forçadas a trabalhar em campos de cacau, reflete-se no gosto amargo deste chocolate quente e numa tentativa de consciencialização de uma ONG portuguesa.

«O que cá é doce, para estas crianças é amargo» é o mote da campanha da Organização Não Governamental Inspirit contra o trabalho infantil e com o objetivo de recolher fundos para a construção de cinco centros de alfabetização para as crianças de Marandallah, uma aldeia costa-marfinense.

Um vídeo publicitário, filmado com câmaras ocultas, foi concebido a pensar no consumidor. Numa grande superfície nos arredores de Lisboa foi instalado um quiosque de oferta de chocolate quente. E quem por ali passava era convidado a provar uma nova marca (fictícia, claro).

A experiência revelou-se duplamente amarga. Primeiro, a impossibilidade de beber algo que se desejava doce, depois a realidade escondida num quadro: «Amarga é a vida das crianças que trabalham nos campos de cacau.»