«Anthímio de Azevedo, com aquela maneira muito particular e especial de comunicar, é um marco da entrada da meteorologia na informação pública televisiva», disse Costa Alves à agência Lusa, lembrando que, quando se tornou meteorologista, foi recebido na profissão pela geração de que fazia parte Anthímio de Azevedo.

«Quando entramos sentimos o ambiente positivo gerado pelos que já estão na profissão, que nos abrem caminhos, que nos ensinam», acrescentou, adiantando que viria mais tarde a fazer equipa com Anthímio de Azevedo, nos serviços meteorológicos na estação de televisão privada TVI.

Dessa altura recorda «a sua maneira especial de ser, a forma como publicamente apresentava a sua análise dos acontecimentos meteorológicos, a sua expressividade e a capacidade de alcançar quem o via e ouvia», sublinhou.

Anthímio Azevedo morreu hoje aos 88 anos, informou o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA), considerando que o seu desaparecimento «deixa a meteorologia nacional de luto».