Os CTT pretendem avançar com 14 novos pontos de acesso em localidades onde irão encerrar instalações, cuja abertura ainda está a ser negociada com autarquias e entidades comerciais, informou hoje a empresa.

O anúncio surge numa altura em que os CTT anunciaram o encerramento de 22 lojas, com impacto em 53 postos de trabalho, no âmbito do plano de reestruturação, o que tem motivado os protestos das comunidades e dos trabalhadores, que hoje entregaram no parlamento uma petição contra o fecho dessas instalações.

Com a abertura de novos 14 postos de acesso, os CTT "garantem que em todas as localizações" das 22 lojas que serão encerradas "a população mantém acesso ao atendimento dos CTT a um quilómetro ou menos da anterior localização".

Depois da conclusão desta operação, os CTT afirmam que haverá "uma redução máxima de oito pontos de acesso, resultado do encerramento/transformação de 22 lojas próprias e da abertura de 14 novos postos de correio".

Nos 14 novos pontos de acesso - que estão já acordados ou em negociação final com autarquias e entidades comerciais locais - vão manter-se "disponíveis ao público a totalidade dos serviços postais, incluindo o pagamento de vales de prestações sociais e o envio e levantamento de encomendas".

A localização destes 14 novos pontos de acesso - dos quais já se conhece, por exemplo, os de Termas de São Vicente (Penafiel), Arco da Calheta (Madeira) e Lavradio (Barreiro) - serão dados a conhecer à medida que os passos necessários para a sua abertura estejam concluídos.

"Este ajustamento da rede de Pontos de Acesso dos CTT em nada afeta a distribuição postal, realizada pelos carteiros dos CTT, que são uma rede totalmente autónoma da rede de atendimento", sublinha a empresa.