“Parece-nos que é uma solução acertada”, disse à Lusa Mário Nogueira, secretário-geral da Fenprof, que acredita que o recurso à lista nacional vai permitir ter “98% ou 99% dos professores colocados no arranque do ano”.