O Tribunal de Gaia está a julgar um agente da PSP e 29 outros suspeitos de contrabandear tabaco para abastecer a região Norte, tendo ouvido esta terça-feira o militar da GNR que liderou a investigação do caso.

Os factos remontam a 2010 quando a Unidade de Ação Fiscal da Guarda Nacional Republicana (GNR) do Porto deteve várias pessoas no âmbito de uma operação de combate a atividades ilícitas relacionadas com os crimes de contrabando qualificado, introdução fraudulenta no consumo qualificada, fraude fiscal qualificada e associação criminosa.

A investigação foi coordenada pelo Departamento Central de Investigação e Acção Penal (DCIAP) e hoje foram ouvidas várias testemunhas, nomeadamente militares da GNR que colaboraram nas diligências feitas à data das apreensões.

Numa sessão em que estiveram presentes 14 dos arguidos implicados no processo, o sargento-mor da GNR, José Luís Bartolomeu, identificado ao longo da audiência como sendo o "titular da investigação", foi um dos que respondeu a perguntas dos advogados sobre as ações de vigília nas quais participou em 2009.

Entre os arguidos está Carlos Santos, conhecido pela alcunha de "Diabo de Gaia", por ter protagonizado, enquanto adepto de futebol, um episódio de agressão a um árbitro auxiliar.

Durante a ação do caso, desencadeada em fevereiro de 2010, foram executados 35 mandados de busca tendo sido apreendidos 13 veículos e 30.000 maços de tabaco de diversas marcas, 1.560 litros de produtos carburantes, 40 telemóveis, cinco computadores, diversos artigos informáticos, bem como três armas e documentos relacionados com atividades ilícitas.

O julgamento prossegue em junho com a sessão reservada às alegações, enquanto para julho está marcada a leitura do acórdão, acrescenta a Lusa.