O vice-presidente do Governo da Madeira disse no parlamento regional que o concurso para o ferry de ligação ao continente termina às 24:00 desta segunda-feira, referindo que, independentemente do desfecho, a região terá a ligação marítima no verão.

Não posso pronunciar-me, porque até ao final do dia de hoje decorre o concurso público internacional, vamos aguardar pelo desfecho", declarou Pedro Calado, quando questionado no debate sobre o Orçamento e Plano para 2018 da Madeira, que decorre esta semana.

O vice-presidente anunciou, no entanto, que o Governo Regional já tem um plano alternativo para o caso de não aparecerem interessados.

Estamos em condições de ter logo um ‘plano B’ para atuar de imediato", assegurou.

Pedro Calado afirmou ainda que o executivo “prometeu à população da Madeira e do Porto Santo que iria ter um ferry e essa promessa vai ser cumprida".

A 3 de novembro, o vice-presidente do Governo Regional, Pedro Calado, anunciou que o procedimento concursal de âmbito internacional para o restabelecimento da ligação marítima, por ferry, entre a Madeira e o continente português, tinha sido prorrogado por mais 45 dias.

O concurso, que tinha um prazo inicial de 70 dias, foi prolongado porque uma das empresas concorrente requereu um adiamento para cumprir as cláusulas exigidas do concurso, explicou, então, o vice-presidente do Governo Regional.

A 25 de agosto, a então Secretaria Regional da Economia, Turismo e Cultura da Madeira anunciava estar "aberto o procedimento concursal, de âmbito internacional, para o restabelecimento da ligação marítima, por "ferry", entre a região e o continente português".

Na altura, o Governo Regional revelou que o "anúncio do respetivo procedimento" já estava em Diário da República e que os concorrentes tinham, a partir daquela data, "um prazo de 70 dias para a apresentação das suas propostas".

O Governo Regional fixou que "o navio a utilizar nesta linha operará com bandeira comunitária e pelo período mínimo de serviço de três anos, tendo uma frequência semanal, de ida e volta, com a particularidade de ser uma ligação subsidiada para passageiros e carga agregada a estes".

A embarcação a operar deverá ter capacidade mínima para 300 passageiros.

O concurso impõe que a velocidade de serviço do ferry a utilizar nesta ligação permita fazer a viagem entre a Madeira e o continente em menos de 24 horas.