O presidente da Associação de Bombeiros Profissionais considerou «muito justa a indignação» dos bombeiros «face ao descuido» do Presidente da República na apresentação de condolências às famílias e corporações dos bombeiros que morreram este ano.

Condolências a bombeiros enchem Facebook de Cavaco

Cavaco tem «acompanhado de perto os incêndios em Portugal»

«Há um descuido do Presidente da República perante o que aconteceu», afirmou Fernando Curto em declarações à Lusa, comparando a atuação de Cavaco Silva perante a morte do economista António Borges e dos três bombeiros que este ano faleceram no combate aos incêndios.

Desde domingo que a página do Facebook do Presidente da República está a ser inundada de mensagens de pessoas indignadas com a alegada falta de reconhecimento do chefe de Estado aos bombeiros que este ano perderam a vida.

«De facto, após a morte do Dr. António Borges, houve logo esse procedimento, não estamos contra as ações e as condolências que o Sr. Presidente da República endereça, os bombeiros portugueses estão é contra o facto de não terem visto nenhuma referência aos camaradas que morreram, nomeadamente à Rita [Pereira], e aos que ainda estão no hospital entre a vida e a morte», disse.

Para Fernando Curto, esta onda de indignação «não representa qualquer miserabilismo», mas admitiu que os bombeiros têm «entido essa revolta».

«Temos também solicitado que se solidarizem com esta indignação que é uma indignação justa perante os bombeiros que já cá não estão», frisou.

Segundo Fernando Curto, os membros da associação estão a fazê-lo e os bombeiros em geral também.

«Não é com prazer que o fazemos, mas dentro da ordem, da lei, da organização e da democracia em que vivemos, penso que temos o direito de mostrar a nossa indignação perante este descuido do PR», afirmou.

«Já que somos tão mal apoiados noutras áreas, temos dificuldades no terreno, temos prejuízos humanos e materiais, pelo menos, que sentíssemos do nosso PR esse simples ato de condolências e de referência aos bombeiros portugueses», acrescentou.

Na página oficial na rede social Facebook da Presidência da República Portuguesa foram publicados, desde domingo à tarde, milhares de comentários, em resposta a um post, dando conta que o Cavaco Silva «enviou uma mensagem de condolências à família do economista Prof. António Borges».

Às 10:00 de hoje, tinham sido publicados mais de 3.300 comentários de indignação face ao silêncio do Presidente da República em relação à morte de bombeiros no combate às chamas.

Desde o início do ano, 3 bombeiros morreram e mais de 30 ficaram feridos no combate a incêndios.

O incidente mais recente ocorreu na quinta-feira, na Serra do Caramulo, distrito de Viseu, onde uma bombeira morreu e outros seis ficaram feridos.

A maioria dos comentários replicava uma frase-tipo dizendo «as minhas sinceras condolências aos familiares dos bombeiros falecidos».

Na página oficial de Aníbal Cavaco Silva, também no Facebook, é também possível ler-se algumas centenas de comentários de indignação face ao silêncio do Presidente da República em relação ao mesmo assunto.