Um jovem de 28 anos que estava acusado de agredir e injuriar militares da GNR foi condenado pelo Tribunal de Sever do Vouga ao pagamento de uma multa de 1.700 euros e a cumprir trabalho comunitário.

Na sentença a que a Lusa teve acesso esta quarta-feira, o tribunal deu como provados os crimes de resistência e coação sobre funcionário, injúria agravada e desobediência de que estava acusado.

Pelo crime de resistência e coação sobre funcionário, o tribunal condenou o arguido a uma pena de 15 meses de prisão, substituída por 455 horas de trabalho a favor da comunidade.

O tribunal estabeleceu ainda uma multa de 1.700 euros e proibiu o jovem de conduzir durante quatro meses.

O arguido, que já tinha sido condenado a uma pena de quatro anos de prisão, suspensa por igual período, por um crime de roubo qualificado, terá ainda de pagar cerca de 190 euros ao Estado, por danos provocados na viatura da GNR.

O caso aconteceu a 01 de junho do ano passado, quando o arguido despistou-se ao volante de uma viatura que tinha sido apreendida momentos antes, por falta de seguro obrigatório. A patrulha da GNR que se deslocou ao local do acidente, na freguesia de Silva Escura, Sever do Vouga, foi recebida com violência pelo indivíduo, que se recusou a fazer o teste de alcoolemia.

No despacho de acusação, o Ministério Público diz que foi necessário chamar reforços para conseguir algemar o indivíduo e colocá-lo dentro da viatura da Guarda.

Além de uma série de injúrias e ameaças de morte, o jovem terá agredido dois militares, que precisaram de tratamento médico. Já no carro-patrulha, o arguido terá partido um vidro e pontapeado a alavanca das mudanças, quase provocado um acidente.