Os trabalhadores da Imprensa Nacional Casa da Moeda (INCM) marcaram esta quinta-feira uma greve e uma concentração para dia 19, contra a retirada de benefícios assegurados pelos respetivos serviços sociais, disse à agência Lusa fonte da comissão de trabalhadores.

De acordo com Altamiro Dias, da Comissão de Trabalhadores (CT) da INCM, nos plenários de quarta-feira (em Lisboa) e de hoje (no Porto e em Gondomar) foi aprovada uma moção que integra as ações de luta para a próxima semana.

A paralisação em Lisboa decorrerá durante a tarde do dia 19 enquanto no Porto, Gondomar e Coimbra será todo o dia.

Os trabalhadores em greve vão concentrar-se em Lisboa ao início da tarde, junto à sede da empresa, e vão decidir outras formas de luta, disse Altamiro Dias.

Na véspera da greve a CT e a associação de aposentados vão pedir uma nova reunião à administração da INCM numa tentativa de desbloquear o conflito.

Os trabalhadores no ativo e os aposentados da INCM manifestaram-se junto à sede da empresa em meados de novembro para dizer à administração da Imprensa Nacional que não aceitam perder os benefícios inerentes aos serviços sociais da empresa, nomeadamente na área da saúde.

Os trabalhadores e pensionistas da Imprensa Nacional Casa da Moeda (INCM) não aceitam perder os benefícios, na área da saúde e da proteção social, de que usufruem no âmbito dos respetivos serviços sociais, equiparados a outros existentes na administração pública, explicou a mesma fonte.

De acordo com Altamiro Dias, existe uma proposta para que estas pessoas passem para o regime geral da segurança social e para o Serviço Nacional de Saúde, mas os trabalhadores estão dispostos a aumentar a sua quota mensal de 1,5 para 2% para manter os atuais benefícios.

A INCM conta com 668 trabalhadores no ativo, mas os seus serviços sociais têm cerca de 2.000 beneficiários, contando com os reformados e com os familiares, acrescenta a Lusa.