O investimento da Altice Portugal na reposição das ligações, serviços e rede devido aos incêndios do ano passado ascende a 20 milhões de euros, segundo o documento entregue pela empresa na Assembleia da República.

De acordo com o documento, a que a Lusa teve acesso este sábado, "o investimento na reposição das ligações, serviços e rede, bem como todas as operações, cifra-se na ordem dos 20 milhões de euros".

Na passada terça-feira, o presidente executivo da Altice Portugal reuniu-se com o vice-presidente da Assembleia da República, Jorge Lacão, para prestar "um esclarecimento cabal". No documento, a empresa garante que tudo fez para repor as comunicações.

Face à dimensão dos incêndios de 15 de outubro que voltaram a devastar o país e que resultaram em mais de 3.500 quilómetros de cabo ardido e 45.000 postes destruídos, reafirma o seu compromisso, esforço e determinação no serviço fixo de comunicações nos locais afetados, tendo levado a cabo um trabalho de que muito se orgulha com a reposição das infraestruturas da rede central, rede móvel e TDT [televisão digital terrestre] na zona geográfica de incidência dos incêndios".

A Altice adianta que, "em simultâneo, está a ser reposta uma parte significativa da rede de cobre ardida por uma nova rede de fibra ótica nas zonas mais afetadas".

Rede totalmente reconstruída e comunicações repostas

Sobre a reposição dos serviços de comunicações após incêndios do ano passado, a dona da Meo "reforça que, neste momento, 100% da rede de comunicações está reconstruída e a totalidade dos concelhos afetados tem mais de 99,2% das suas comunicações repostas".

Faz notar, no mesmo documento, "a incapacidade de chegar ao contacto com vários clientes destas zonas, por se tratarem de casas sazonais ou de fim de semana, desabitadas durante largos períodos do ano".

Mais de 1.000 quilómetros de rede de cobre foram substituídos por fibra ótica, em mais de 30 concelhos dos distritos de Castelo Branco, Coimbra, Guarda, Viseu e Leiria. [A maioria destas regiões] ficará com cobertura de fibra superior a 50%, permitindo que as populações tenham acesso a mais e melhores serviços e produtos de telecomunicações".

A empresa que comprou a PT Portugal há mais de dois anos acrescenta que "mantém, há várias semanas, um último trabalho conjunto de balanço com todos autarcas" das zonas do país afetadas, "no sentido de aferir qualquer anomalia constatada ou situações de expansão do serviço de rede, com equipas prontas para intervir em menos de 24 horas".

Além disso, "a Altice Portugal encontra-se, neste momento, já na fase de contacto direto aos clientes como forma de monitorizar e confirmar o correto funcionamento dos serviços, bem como o sucesso das operações de migração tecnológicas", acrescenta, apontando que estiveram envolvidos nas operações mais de 800 profissionais da empresa.

O SIRESP

Sobre o SIRESP - Sistema Integrado de Redes de Emergência e Segurança de Portugal, a empresa reitera, no documento entregue na AR, que "detém apenas uma posição minoritária na estrutura societária constituída para o efeito".

[Afirma] categoricamente que cumpriu integralmente e de forma escrupulosa todos os SLA [acordo de níveis de serviço] contratados com a SIRESP SA".

A dona da Meo recorda que "a SIRESP SA adjuficou à Altice Portugal em janeiro último a implementação das redundâncias da rede de transmissão via satélite e da redundância de energia, temas que vinham a ser discutidos e alvo de propostas concretas desde agosto de 2017".