A Câmara de Idanha-a-Nova vai apresentar uma providência cautelar contra o encerramento do Complexo Escolar de Monsanto, anunciou esta quart-feira o município.

Em comunicado, o presidente do município explica que «será apresentada uma providência cautelar contra o encerramento» daquele complexo escolar, «com os argumentos que viabilizam o funcionamento daquele estabelecimento de educação no próximo ano letivo».

Armindo Jacinto explica que o Complexo Escolar de Monsanto, onde já funcionava o jardim-de-infância, foi recentemente objeto de requalificação e agora concentra as valências de jardim-de-infância e 1.º ciclo do ensino básico.

«A requalificação do espaço respondeu a necessidades pedagógicas identificadas pelas populações e prevê-se que receba, no próximo ano letivo, um total de 26 crianças, 16 no pré-escolar e 10 no 1.º ciclo», lê-se no documento.

O autarca informa ainda que foi já enviada uma carta ao ministro da Educação, com conhecimento a outros organismos estatais de educação e à Associação Nacional de Municípios Portugueses (ANMP).

Armindo Jacinto tinha afirmado, no início de junho, que no município de Idanha-a-Nova não iria fechar nenhuma escola do primeiro ciclo.

O presidente do município referiu inclusivamente que tinha sido acordado, «em reunião com a Direção de Serviços da Região Centro da Direção-Geral dos Estabelecimentos Escolares (DGEstE), que não fechava nenhuma escola nem nenhuma sala» em Idanha-a-Nova.

O autarca explicou à Lusa que está a investir na educação e a fazer obras de requalificação nos estabelecimentos de ensino, também como forma de captar e fixar pessoas no concelho.

«O número de alunos está a crescer, quando a expectativa não seria essa e a tendência é de crescer ainda mais», afirmou.

Armindo Jacinto sublinhou ainda que «todo este investimento não pode cair e as escolas têm que se manter. Isso foi explicado e defendido nas reuniões com a DGEstE e eles compreenderam».

Agora, o município confronta-se com o possível encerramento do Complexo Escolar de Monsanto, assunto que foi já objeto de discussão em Assembleia Municipal.