As linhas ferroviárias de Sintra e da Azambuja têm, desde este domingo, um novo horário, com reforço de comboios para a Linha de Cintura e sem redução do serviço aos utentes, segundo a CP-Comboios de Portugal.

A ligação de Sintra ao Rossio passou a ser complementada com comboios da “família” de Meleças-Mira Sintra, que trocou Oriente, e a Linha de Cintura, pela estação da Baixa lisboeta.

Os comboios de Sintra passaram também a ligar à estação Oriente, para que cerca de 45% dos utentes do troço entre a vila da periferia e Rio de Mouro (cerca de 10 mil por dia) deixem de fazer transbordo para a Linha de Cintura, apesar de a mudança obrigar parte dos 28% (cerca de seis mil/dia) a mudar de composição para chegar ao Rossio.

A transportadora explica que o novo horário pretende assegurar “intervalos iguais entre comboios”, de dez em dez minutos, de Sintra para Oriente, com ligações diretas Sintra-Alverca aos dias úteis, na hora de ponta.

Os comboios da Azambuja, que iam para Alcântara-Terra, passam a ligar a Santa Apolónia, estação substituída por Alcântara-Terra como destino das composições com origem em Castanheira do Ribatejo, durante os dias úteis.

O novo horário implica uma alteração de plataformas de embarque e desembarque, na Linha da Azambuja, nas estações de Oriente, Moscavide, Sacavém, Bobadela, Santa Iria e Póvoa.

A CP justifica que as mudanças procuram responder a uma alteração da procura dos utentes que, desde o fecho do túnel do Rossio para obras entre 2004 e 2008, passaram a utilizar mais as estações de Sete Rios e Entrecampos, na Linha de Cintura.