Os trabalhadores ferroviários da CP, Medway e Takargo vão estar em greve na segunda-feira contra a possibilidade de circulação de comboios com um único agente, o que deverá causar perturbações já partir deste domingo.

Os sindicatos subscritores do pré-aviso de greve preveem que a paralisação tenha "um grande impacto na circulação de comboios" e a CP admite que deverão ocorrer "fortes perturbações na circulação".

Como não houve qualquer desenvolvimento ou contacto, a greve vai ocorrer, com grande impacto na circulação de comboios de passageiros e de mercadorias", disse à agência Lusa José Manuel Oliveira, coordenador da Federação Sindical dos Transportes e Comunicações (FECTRANS), uma das seis estruturas envolvidas na greve.

Segundo o sindicalista, a maioria dos comboios suburbanos não deverão circular durante o período de greve.

Apesar da paralisação estar marcada para segunda-feira, os primeiros efeitos do protesto deverão surgir a partir das 22:00 deste domingo, quando se iniciam os primeiros turnos.

Fonte oficial da CP disse à Lusa que ainda é cedo para ter uma perspetiva dos efeitos da greve, mas admitiu fortes perturbações ao longo de segunda-feira e nas últimas horas de domingo e primeiras de terça-feira.

Os sindicatos que marcaram a greve consideram que "a circulação de comboios só com um agente põe em causa a segurança ferroviária – trabalhadores, utentes e mercadorias", e defendem, por isso, que "é preciso que não subsistam dúvidas no Regulamento Geral de Segurança (RGS)".

Os ferroviários contestam que sejam feitas alterações ao RGS com o objetivo de reduzir custos operacionais.

O pré-aviso de greve foi emitido por sindicatos da CGTP, UGT e independentes, porque consideram que a redação do RGS, em discussão nos últimos meses, deixa em aberto a possibilidade de os operadores decidirem se colocam um ou dois agentes nos comboios.

Posteriormente os sindicatos marcaram uma nova greve para os dias 12 e 13.

Em novembro, os sindicatos dos ferroviários suspenderam uma greve após terem acordado com o Governo que a redação do regulamento de segurança iria ser melhorada de forma a garantir que cada comboio circularia sempre com um maquinista e um revisor ou operador de mercadorias.

Atualmente, os comboios circulam sempre com dois trabalhadores, exceto na Fertagus que, ao abrigo do RGS, pode funcionar excecionalmente com agente único entre Setúbal e o Pragal. Os sindicatos envolvidos na paralisação tinham anunciado há dois dias uma greve para 04 de junho.

Os árbitros do CES não definiram serviços mínimos para a paralisação.