Os bombeiros vão passar a receber formação nas corporações, adequada aos horários de trabalho dos voluntários, e os comandantes vão ter programas formativos mais especializados, segundo o novo plano que é apresentado esta quarta-feira.

A Escola Nacional de Bombeiros (ENB) apresenta esta quarta-feira, em Sintra, o Plano Estratégico de Formação dos Bombeiros Portugueses 2014-2016, que tem como objetivos «melhorar o acesso, garantir a qualidade e fomentar a inovação».

O plano, a que a agência Lusa teve acesso, estabelece que as ações de formação devem realizar-se «maioritariamente» nos corpos dos bombeiros e nas unidades locais de formação, reservando-se os centros de formação da ENB para elementos do comando, graduados da carreira e formadores.

Segundo o documento, a formação deve ser realizada «preferencialmente» nos períodos de disponibilidade dos bombeiros voluntários, nomeadamente à noite e fins de semana.

A formação deverá ser assegurada por formadores dos quadros dos corpos dos bombeiros e «devidamente formados e certificados» pela ENB, que devem estar disponíveis em número adequado para dar resposta às necessidades formativas das corporações e da respetiva zona, adianta o plano, sublinhando que se deve «insistir na certificação de formadores dos corpos dos bombeiros de modo a garantir a cobertura em todo o território nacional».

A ENB quer reforçar junto das corporações «os treino e a instrução contínua nos elementos» e realizar provas para ingresso na carreira de bombeiro voluntário.

O novo plano determina também a conceção de programas formativos para os comandantes através de uma formação especializada, dotando os quadros de comando de competências para a gestão de ocorrências de elevada complexidade e reforçar a formação ao nível dos procedimentos de segurança individual e coletiva nos diferentes contextos operacionais.

Os bombeiros vão ter também disponível formação à distância, pretendendo a ENB adotar novas modalidades com recurso à utilização das novas tecnologias com o objetivo de reduzir o peso da formação presencial.

O Plano Estratégico de Formação dos Bombeiros Portugueses 2014-2016 vai ainda introduzir formações específicas com peritos internacionais convidados, além de recorrer a especialistas nacionais que possam constituir uma mais-valia para a qualidade de formação ministrada.

O documento refere que é necessário garantir «permanentemente o acesso à formação inicial e contínua» e concentrar o esforço «na formação adequada às reais necessidades operacionais de cada corpo de bombeiros».

O ministro da Administração Interna, Miguel Macedo, vai estar presente na cerimónia de apresentação do documento.