Um jovem com uma profunda ferida exposta na cara teve de pagar a sua deslocação para o Hospital do Litoral Alentejano, depois de ver recusado o transporte pelo INEM, segundo o comandante dos bombeiros de Grândola, citado pela Lusa.

Ricardo Ribeiro explicou que um jovem de 21 anos entrou nesta madrugada nos Bombeiros de Grândola a pedir auxílio, com um enorme golpe na cara, alegando ter caído enquanto andava de skate, perto do quartel.

«Prestámos os primeiros cuidados de estabilização da hemorragia da vítima e pedi ao meu operador para ligar ao INEM a solicitar transporte para o hospital. No entanto, após transmitirmos os dados acerca da vítima, não foi atribuído transporte, por não ser dada autorização ao pedido», relatou.

Considerando a situação «no mínimo caricata», o comandante relata que, perante a resposta, ele próprio contactou o responsável de serviço no INEM (através do Centro de Orientação de Doentes Urgentes, CODU), para prestar «melhores esclarecimentos sobre a realidade da vítima», mas o serviço voltou a ser recusado.

O jovem apresentava, de acordo com Ricardo Ribeiro, uma «ferida incisa com cerca de nove a dez centímetros de profundidade, até ao osso maxilar inferior», e chegou com as roupas «bastante ensanguentadas», dada a profundidade do corte.

Ricardo Ribeiro admitiu à Lusa que os bombeiros devem transportar doentes urgentes nas suas ambulâncias, mas questionou: «Se para o INEM o caso não era urgente, como é que era urgente para os bombeiros?»

«Aquilo que queremos saber também é como é que o serviço de urgência pré-hospitalar funciona. Não faz sentido que uma vítima com uma ferida incisa profunda e uma hemorragia ativa não seja considerado um caso urgente para o INEM», sublinhou.

O comandante dos bombeiros adiantou ainda que a vítima foi transportada então para o hospital do Litoral Alentejano, pagando a sua própria deslocação, no valor de aproximadamente 100 euros.

A assessoria de imprensa do Hospital do Litoral Alentejano confirmou à Lusa que deu entrada um jovem no serviço de urgência na madrugada de hoje, residente em Sines, tendo sido assistido por um médico cirurgião e obtido alta pelas 03:00, com indicação para consulta externa. Contatado pela Lusa, o INEM remeteu para mais tarde uma explicação sobre o assunto.