A Federação Nacional dos Professores (Fenprof) lança esta segunda-feira em todo o país uma petição contra o duplo financiamento da educação, apoiada por artistas, académicos, autarcas, deputados e dirigentes associativos.

Entre os primeiros subscritores contam-se os músicos Sérgio Godinho, Pedro Abrunhosa, Fausto e Kálu, o poeta Manuel Alegre, a autarca Helena Roseta e a investigadora Raquel Varela.

Os jornalistas Daniel Oliveira e Baptista Bastos, o académico Santana Castilho e os presidentes das duas associações de diretores escolares, Filinto Lima (ANDAEP) e Manuel Pereira (ANDE) subscrevem a iniciativa, bem como a presidente da Confederação Nacional Independente de Pais e Encarregados de Educação (CNIPE), Isabel Gregório.

O objetivo é defender o investimento do Estado na rede pública de ensino, deixando o financiamento a colégios privados, através de contratos de associação, circunscrito a zonas onde ainda não haja oferta pública.

O texto é agora disponibilizado a todos os cidadãos, com a recolha de assinaturas em várias bancas espalhadas pelo país, acompanhada da distribuição de um texto explicativo.

Exigem-se ainda as mesmas condições de trabalho para os docentes das escolas públicas e privadas, nomeadamente em termos de horário, e rejeitam-se acusações de falta de qualidade no ensino público.

Em Lisboa, o secretário-geral da Fenprof, Mário Nogueira, estará no Largo do Chiado a partir das 09:30.