Um homem ferido por uma arma de fogo, há cinco meses, alegou na altura ter sido vítima de um crime, mas a Polícia Judiciária (PJ) de Coimbra revelou esta sexta-feira que o disparo foi efetuado pelo próprio.

«O disparo foi feito pelo próprio, de forma acidental, quando experimentava uma pistola de calibre 6,35 mm, que o atingiu na perna esquerda», esclarece, em comunicado, a Diretoria do Centro da PJ.

Tendo concluído agora a investigação, a PJ recorda que o disparo ocorreu na Mata do Choupal, em Coimbra, no dia 9 de outubro, quando o queixoso, de 30 anos, «supostamente passeava com a companheira» naquele espaço verde.

«O homem alvejado foi encaminhado para o Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra e, ao ser abordado pelas autoridades policiais, relatou que tinha sido vítima de um crime violento, aventando a hipótese de ter sido alvo de eventuais represálias resultantes da sua profissão de segurança», acrescenta.

De imediato, a PJ realizou «diversas diligências probatórias, que incluíram a apreensão de uma arma de fogo, em situação ilegal, à alegada vítima».

Essas diligências, «conjugadas com diversos exames e perícias efetuados no Laboratório de Polícia Científica, permitiram concluir que o disparo foi feito pelo próprio», por acidente.

Já com antecedentes criminais, o suspeito foi na ocasião detido e indiciado pela prática de crimes de detenção de arma proibida e de simulação de crime, tendo sido interrogado judicialmente e sujeito à medida de coação de apresentações periódicas às autoridades.