A Cáritas Portuguesa lança na quarta-feira, uma campanha nacional de recolha de roupa, cobertores e agasalhos para as crianças refugiadas da Síria, «vítimas de um inverno excecionalmente rigoroso e duro», anunciou esta terça-feira a organização.

A instituição apela aos portugueses, «independentemente da sua confissão religiosa», para contribuírem para esta campanha, que decorrerá até 25 de fevereiro e pretende responder responde «a uma situação humana dramática».

Segundo a Cáritas, a campanha pretende «dar expressão ao valor da solidariedade e da cooperação inter-religiosa perante uma emergência humanitária como a que atinge a população refugiada síria», refere a Cáritas em comunicado.

Visa ainda «mobilizar todos os esforços» com um «objetivo único, comum e partilhado»: recolher vestuário, cobertores, mantas e agasalhos para as crianças sírias dos campos de refugiados, que estão a sofrer com o frio intenso que já matou várias criança, refere a instituição em comunicado.

«Como a UNICEF chamava a atenção recentemente esta é a maior emergência dos últimos tempos para as crianças», salienta.

A Cáritas lembra que há quase dois milhões de crianças sírias refugiadas em países vizinhos, a maior parte no Líbano, Jordânia, Iraque, Turquia e Egito, e que “a violência e as deslocações forçadas terão transtornado profundamente a vida de mais de sete milhões de crianças na região”.

Um estudo da UNICEF realizado em outubro e novembro do ano passado mostrou que cerca de duas mil crianças sírias «estão em risco de morte e necessitam de tratamento imediato para sobreviver».

O relatório apontava que as regiões mais afetadas se situam no norte e leste do Líbano, onde os casos de «desnutrição severa» duplicaram nos últimos dois anos, e alertava que a chegada de mais refugiados e o aumento dos preços da comida poderia conduzir a uma “deterioração rápida”.

A campanha é lançada em Lisboa numa cerimónia que conta com a presença do presidente da Cáritas Portuguesa, Eugénio Fonseca, do ex-presidente da República, Jorge Sampaio, e com uma plataforma de parceiros, designadamente a Comunidade Islâmica de Lisboa, a Comunidade Ismaili, a Cruz Vermelha, a Cruz de Malta, a Câmara Municipal de Lisboa, entre outras entidades.