“As escolas que lecionam estes cursos e que mais próximas estão do processo de transição para o mercado de trabalho, não se podem alhear do destino dos seus formandos e não podem continuar a oferecer cursos que respondem mais aos problemas internos dos seus recursos humanos excedentes, do que ao futuro dos seus alunos”