A PSP admite usar drones na final da Champions que decorre dia 24 no estádio da Luz, em Lisboa, onde se vão defrontar o Atlético de Madrid e o Real Madrid. As autoridades portuguesas dizem-se prontas para possíveis confrontos entre adeptos na capital.

Segundo avança o semanário «Sol» na sua edição e hoje, a PSP está a colocar a possibilidade de utilizar, pelo menos, um drone no controlo do evento. Jorge Maurício, superintendente da PSP, afirmou ao jornal que este vai ser «o maior e mais exigente evento desportivo», realizado no país, desde o Euro 2004. «Se tivermos uma perspetiva aérea é mais fácil, por exemplo, agilizar meios para travar a aproximação de grupos de adeptos rivais», explicou a mesma fonte.

Apesar de estar em contato com as autoridades espanholas, a PSP ainda não sabe como se vão deslocar a Portugal as claques de ambos os clubes. Se chegam de forma organizada, ou seja, em autocarros e escolta policial, ou se cada um vem pelos seus meios.

A PSP considera que a maioria dos adeptos não representa qualquer risco, no entanto, há fações mais radicais dentro das claques. Uma delas, a Frente Atlético, uma das mais violentas em Espanha, já é conhecida da polícia. Em 2010, causou distúrbios junto ao estádio de alvalade, quando atacou a Juve Leo (Sporting).

Mas o Real Madrid também tem uma parte mais extremista, escreve o «Sol». A claque Ultra Sur, conotada com a extrema-direita, já viu membros expulsos do próprio clube pelos comportamentos violentos.

Para ajudar as autoridades portuguesas chegam de Espanha dez spotters espanhóis.