A Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC) alertou esta segunda-feira para “um agravamento excecional” das condições meteorológicas no norte e centro nos próximos três dias, com chuva forte, ondas até quatro metros e vento com rajadas até 130 quilómetros. O Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) colocou sob aviso vermelho, de situação meteorológica de risco elevado, os distritos de Viana do Castelo, Braga, Porto e Vila Real.

Num aviso à população emitido ao início da tarde, e baseando-se nas previsões do IPMA, a ANPC lembra que a partir da próxima madrugada e até à tarde de quarta-feira pode ocorrer precipitação forte e muito forte. O vento soprará forte de forma persistente, até 100 quilómetros por hora, podendo atingir os 130 nas terras altas.

“Não são de excluir eventuais fenómenos extremos de vento”, alerta a ANPC, que chama a atenção para efeitos como formação de lençóis de água nas estradas, cheias rápidas em meio urbano, inundações, danos em estruturas montadas ou suspensas e “galgamento costeiro”.

A ANPC recomenda a desobstrução de sistemas de escoamento de águas, cuidados na condução, nomeadamente evitando zonas inundadas e arborizadas e a orla costeira, e a fixação de estruturas soltas, como andaimes.

Na manhã de hoje, em declarações à Lusa, a meteorologista Maria João Frada já tinha alertado para a previsão de chuva forte e com vento nos distritos do Porto, Viana do Castelo e Braga, que na terça-feira vão estar sob aviso laranja.

“Amanhã [terça-feira] vamos ter um agravamento do estado do tempo no Minho e Douro litoral. Prevê-se céu muito nublado durante a manhã com ocorrência de períodos de chuva que vai estender-se depois a partir da tarde às regiões do norte e centro e depois ao alto Alentejo”, adiantou à Lusa a especialista.

De acordo com a meteorologista o dia de terça-feira vai ser marcado por chuva forte, persistente no Minho e Douro litoral e eventualmente depois nos restantes distritos a norte do sistema Montejunto-Estrela.

“No entanto, o cenário mais gravoso será no litoral a norte do cabo Mondego (Viana do Castelo, Braga, Porto, Aveiro, Vila Real e Viseu (a parte mais oeste destes distritos). Não podemos também excluir que nestes distritos não possa haver localmente, mas com baixa probabilidade, fenómenos extremos de vento”, salientou.


IPMA coloca quatro distritos sob aviso vermelho


O IPMA colocou sob aviso vermelho, de situação meteorológica de risco elevado, os distritos de Viana do Castelo, Braga, Porto e Vila Real.

Os distritos do litoral norte já estavam na manhã de hoje sob aviso laranja, o segundo mais grave numa escala de quatro, mas na última revisão o IPMA colocou-os sob aviso vermelho, o mais grave, devido a previsões de chuva e vento fortes para os próximos dias.

Os distritos de Bragança, Aveiro, Viseu, Guarda, Coimbra e Castelo Branco estão sob aviso laranja (estavam sob aviso amarelo). O aviso amarelo é o terceiro mais grave e implica risco para determinadas atividades. Leiria aparece na página da internet do IPMA sob aviso amarelo.

A escala de avisos do IPMA oscila entre o verde, sem nenhuma situação meteorológica de risco, e o vermelho, de muito risco.

De acordo com um comunicado do IPMA o agravamento das condições para os próximos dias, especialmente para terça-feira, deve-se à passagem de uma depressão com origem no ex-ciclone tropical Henri, centrada hoje a norte dos Açores.

A depressão irá aproximar-se da Corunha, Espanha, na próxima madrugada, em direção do Golfo da Biscaia.

Os efeitos da depressão irão prolongar-se até ao fim de quarta-feira e traduzem-se por precipitação forte e vento intenso nas regiões a norte do Mondego, diz-se no comunicado do IPMA.

As regiões do Minho, Douro e Beira Litoral, na tarde e na noite de terça-feira, vão ser as mais atingidas, com precipitação que pode ultrapassar os 100 mililitros em 24 horas.

O vento forte chegará ao litoral logo na manhã de terça-feira e deve prolongar-se até ao fim da manhã de quarta-feira. A região sul será menos afetada mas no norte as rajadas serão na ordem dos 90 quilómetros a norte do rio Mondego, com rajadas superiores a 110 quilómetros nas terras altas.

O IPMA chama a atenção ainda para forte agitação marítima.