A Câmara do Porto avisou este domingo que face ao agravamento das condições, o Douro vai mesmo galgar as margens de Porto e Gaia a partir das 20:00, estando previsto que na zona de Miragaia suba um metro acima das soleiras das portas.
 

"Temos a certeza que a água vai galgar as margens e poderá acontecer a partir das 20:00, com agravamento a partir das 23:00 até às 03:00", afirmou à Lusa fonte oficial da câmara no final de uma nova reunião com as autoridades da proteção civil, autarquias de Porto e Gaia e capitania do Douro.

 
De acordo com a mesma fonte, na zona de Miragaia a água poderá ir até um metro acima da soleira das portas, pelo que é feito um apelo aos moradores para que protejam as habitações e retirem os veículos que se encontrem ali estacionados.
 
Naquele local estão já várias equipas da proteção civil do município a avisar a população e os donos de estabelecimentos, disponibilizando também meios para retirarem e guardarem alguns pertences num espaço já preparado na Alfândega do Porto.
 
O parque da Alfândega está igualmente disponível para receber os automóveis dos moradores de Miragaia, alertando a autarquia que irá proceder ao reboque dos veículos que não forem dali retirados.
 
A "forte agitação marítima" irá também obrigar ao corte da Avenida D. Carlos.
 
A câmara reiterou que "a situação não é de alarme mas de alerta e prevenção", recordando que a última situação de risco de cheia foi em 2013 mas o rio não chegou a galgar as margens.
 
A autarquia aconselha as populações das zonas ribeirinhas a estarem atentas às informações da proteção civil e da própria câmara.
 
O rio Douro galgou, este domingo à tarde, as margens nas freguesias de Avintes, Crestuma e Afurada, em Gaia, e a Proteção Civil teme que a situação se possa complicar com a nova preia-mar.

O Centro de Previsão e Prevenção de Cheias (CPPC) do rio Douro alertou para a possibilidade de inundações nas ribeiras do Porto e de Vila Nova de Gaia, devido ao mau tempo em conjugação com a preia-mar.

O distrito do Porto é um dos 10 que estão com aviso laranja (o segundo mais grave) emitido pelo Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA), a que se juntam os distritos de Viana do Castelo, Braga, Vila Real, Aveiro, Viseu, Lisboa, Setúbal, Leiria e Coimbra, os últimos quatro por causa da agitação marítima.