O ministro do Ambiente disse, nesta sexta-feira, que a Central Nuclear de Almaraz será um dos primeiros assuntos a abordar com o futuro Governo de Espanha, mas assegurou que o equipamento está em “absolutas condições de segurança”.

João Matos Fernandes reagia assim às recentes notícias de que inspetores do Conselho de Segurança Nuclear espanhol "têm alertado para falhas no sistema de arrefecimento de serviços essenciais da central nuclear", tendo relatado que "cinco inspetores consideraram que não há garantias suficientes de que as bombas de água do sistema de serviços essenciais operem com normalidade".

O ministro, que falava em Lisboa à margem da cerimónia dos 143 anos da rodoviária Carris, assegurou que o Governo português tem acompanhado “regularmente, mas sem nenhuma preocupação”, a atividade da Central Nuclear de Almaraz, que fica a cerca de 100 quilómetros de Portugal.

“Não tenho a mais pequena dúvida de que, assim que houver um novo Governo em Espanha e um novo ministro do Ambiente em Espanha, essa é das primeiras questões que eu quererei discutir com ele, bem como outras questões que têm a ver com as redes internacionais entre Espanha e Portugal”, afirmou João Matos Fernandes, em declarações aos jornalistas.

O governante disse ter conhecimento dos problemas que ocorreram na central e garantias das autoridades espanholas.

“Recebi, como disse, enviado pelas autoridades espanholas, um documento oficial de quem inspecionou toda a central e encontrou algumas pequenas avarias sem significado, avarias comuns numa unidade industrial, que as sinalizou, e que nos disse de forma claríssima […]: ‘a central está em absolutas condições de segurança’”, indicou o ministro do Ambiente.

João Matos Fernandes explicou que os problemas foram resolvidos e vincou ter plena confiança nas autoridades espanholas.

“A central tem duas unidades, uma delas está parada em manutenção e a outra está a funcionar regularmente. Os pequenos problemas que possam ter acontecido foram internos e não provocaram nenhum acidente, nem há nenhum risco de acidente”, insistiu o ministro, mostrando total confiança nas informações transmitidas do outro lado da fronteira.

A associação ambientalista Quercus já veio exigir o encerramento da Central Nuclear de Almaraz, alertando que Portugal não está preparado para lidar com um acidente grave.

Questionado sobre um eventual encerramento da central, o ministro recusou fazer comentários e reiterou não haver riscos.

“A decisão relativamente à central é uma decisão das autoridades espanholas e não temos nada que dizer sobre isso porque temos toda a confiança nas autoridades espanholas, que repito: é um regulador independente que nos diz que a central não tem nenhum problema de segurança”, garantiu João Matos Fernandes.