As crianças com cancro tratadas no IPO/Lisboa não recebem células dendríticas por ser um tratamento experimental e faltar fundamentação científica, segundo a diretora do serviço de pediatra da unidade, que denuncia «redes de negócio» paralelas à medicina convencional.

«É importante dizer que aquelas terapêuticas que não fazemos – nomeadamente as células dendríticas –, não as fazemos por falta de fundamentação científica e por não haver qualquer indicação para serem feitas», disse Filomena Pereira.

A especialista do Instituto Português de Oncologia (IPO) de Lisboa, que dirige um serviço que acolhe anualmente cerca de 160 novas crianças com cancro, das quais perto de 30 acabam por morrer, sublinhou que esta opção não tem qualquer razão económica.

«Não tivemos qualquer constrangimento, corte, redução ou recusa em nenhum tipo de terapêutica», frisou.

Filomena Pereira lamenta toda a confusão que se segue aos anúncios nas redes sociais de campanhas para a ida de crianças com cancro até clínicas onde são administradas as células dendríticas.

Alguns estudos indicam que as células dendríticas – que atuam ao nível do sistema imunitário e são usadas em tratamentos ainda experimentais – «têm alguns efeitos que mais não são do que prolongar alguns meses a vida de alguns doentes com determinado tipo de tumores, nomeadamente da próstata e alguns tipos de tumores cerebrais».

Segundo a especialista, não há qualquer indicação para a aplicação de dendríticas em pediatria e, dentro das células dendríticas, «é importante fazer a diferenciação entre o que é investigação séria e o que é negócio».

Para Filomena Pereira, «há um centro europeu e um nos Estados Unidos onde está a ser feita investigação séria sobre a utilização de células dendríticas e, depois, há as redes de negócios montadas, por exemplo, na Alemanha».

«É bizarro que, na clínica tão anunciada por aí fora, os doentes [daquele país] não possam ser tratados, porque a clínica não tem autorização para tratar os doentes alemães», sublinhou.

Questionada sobre quem, na sua opinião, ganha com esse «negócio», a especialista enumerou: «Ganham os do transporte, os do alojamento, os tradutores, as coisas paralelas, como as chamadas alimentações saudáveis».

«Há toda uma série de coisas que, organizadas em grupo, em peso, fazendo de certa forma o contra à medicina convencional ou científica, e pelo facto de serem chamados alternativos, imediatamente se tornam em corpo e como corpo têm mais força, não só para embater com a medicina convencional, como para poderem ganhar dividendos de natureza vária», adiantou.

Ainda assim, Filomena Pereira acredita que «haja gente que seja o mais honesto possível quando pensa que está a fazer bem nessa área».

«Acredito solenemente, mas, de facto, alimentam-se redes de negócio», disse.

A especialista lembrou que já são três as crianças que apanham um avião para vir morrer em Portugal, depois de fazerem tratamentos com as células dendríticas.

«Nas redes sociais há o apelo à ida, mas depois não há o seguimento, nem sequer há muitas vezes a suspensão da angariação de fundos», afirmou.

Filomena Pereira considera que existe «um abuso das redes sociais, nomeadamente um abuso de exposição das crianças».

Isto, «quando, cada vez mais, nós estamos sujeitos a segredo profissional, a confidencialidade, a uma série de regras de confidencialidade», afirmou.

«São as próprias famílias que expõem as crianças das formas mais incríveis», disse, defendendo o fim do «vazio legislativo nesta área».

Estas notícias mediáticas envolvendo crianças com cancro «prejudicam» o trabalho dos profissionais do IPO, mas também os pais e os próprios doentes, declarou.

«Fica sempre um pouco de descrença, de insegurança. Prejudica o nosso trabalho e, sobretudo, prejudica os outros pais, pois transmite-lhes essa mesma insegurança e descrença».

Sobre o ato de decidir, a médica sublinha: «Não somos deuses. Mas temos que usar aquilo que acreditamos ser ou que internacionalmente se usa como melhor prática clínica».