A Câmara de Oeiras ameaçou, esta terça-feira, rescindir o protocolo que tem com a Refer ¿ Rede Ferroviária Nacional por incumprimento da sua obrigação de reparar os elevadores da estação de Caxias, que não funcionam desde 2010.

O problema foi levantado em assembleia municipal pela deputada do PS Hermenegilda Guimarães, que pediu esclarecimentos ao executivo liderado pelo movimento independente Isaltino Oeiras Mais À Frente (IOMAF) sobre a reparação dos elevadores da estação de Caxias, já que a sua paragem nos últimos três anos impede o acesso a pessoas com mobilidade reduzida.

Em resposta, a vereadora Madalena Castro esclareceu que tem havido reuniões sucessivas com a Refer para resolver a «telenovela infeliz».

De acordo com a vereadora, a Câmara de Oeiras já gastou, em dois anos, quase 20 mil euros em reparações aos elevadores, mais do dobro do que tem sido gasto nos elevadores de todos os edifícios do município.

«A câmara assinou um protocolo com a Refer em que se comprometia a fazer a manutenção do equipamento, que era suposto ser de 300 euros por mês. Já dissemos à Refer que tinha de rever o equipamento instalado em Caxias, mas até agora nada aconteceu», explicou.

Madalena Castro disse ainda ter recebido na segunda-feira uma carta da empresa ferroviária «muito indignada com a posição da câmara».

«Perante esta atitude da Refer, a câmara rescindirá o protocolo que tem e, por lei, a Refer terá de garantir a passagem para pessoas com mobilidade reduzida, portanto, esperamos que a Refer seja instada a aplicar a lei», acrescentou.

A vereadora lamentou a situação e garantiu que os elevadores vão continuar parados, uma vez que a responsabilidade da reparação é da Refer.