Número de católicos portugueses tem vindo a diminuir

Estudo da Universidade Católica revela que são já três milhões os não católicos em Portugal

Por: Redação / PB    |   16 de Abril de 2012 às 09:57
Actualizada às 14:05

Está a diminuir o número de católicos em Portugal. Já não chegam a 70 por cento os portugueses que confessam professar a religião católica e os praticantes, ou seja, os que vão regularmente à missa ao domingo, ficam pelos 18 por cento.

Mais de três milhões de portugueses são, assim, não católicos, enquanto os católicos praticantes são 1,8 milhões.

Nos últimos onze anos, os católicos diminuiram 7,4 por cento, passando de 86,9 por cento da população para 79,5.

Os dados são de um inquérito realizado pela Universidade Católica em Novembro do ano passado e foram avançados pelo «Correio da Manhã». Vão ser apresentados quarta-feira no terceiro dia da Assembleia Plenária da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP), que arranca esta segunda-feira em Fátima.

O inquérito foi pedido pela Conferência Episcopal. E, apesar de os resultados serem pouco animadores para a Igreja, os bispos já fizeram saber que não pretendem «esconder a realidade».

Duplica o número de pessoas com uma religião que não a católica

Ao contrário da tendência de diminuição de católicos, a percentagem de pessoas com uma religião diferente da católica duplicou (2,7% em 1999 para 5,7%), assim como cresceu o número de pessoas sem qualquer religião (de 8,2% para 14;2%). Este aumento sentiu-se em todas as categorias: os indiferentes passaram de 1,7 para 3,2; os agnósticos de 1,7 para 2,2 e os ateus de 2,7% para 4,1%.

Em onze anos, as categorias com maior crescimento são os «protestantes» e os «crentes sem religião».
Partilhar
EM BAIXO: Cruz
Cruz
COMENTÁRIOS

PUB
OE2015: há 66 milhões de euros em medidas por explicar

Técnicos independentes que apoiam o Parlamento dizem que não é possível aferir «o grau de razoabilidade» de algumas poupanças. Há previsões rodeadas de «elevada incerteza». Necessidades de financiamento são superiores aos limites de endividamento previstos. E, mais uma vez, é a receita - leia-se, impostos - que mais pesa no ajustamento