O Algarve vai contar a partir desta quinta-feira com uma Unidade de Cuidados Continuados Integrados de Longa Duração e Manutenção, situada na freguesia de Azinhal, concelho de Castro Marim, anunciou a Administração Regional de Saúde (ARS).

Com 30 camas, destinadas também a utentes de fora do concelho, a nova unidade vai ser gerida pela Associação de Bem Estar Social da Freguesia do Azinhal (ABESFA), custou 2,4 milhões de euros e foi «cofinanciada» pela Câmara de Castro Marim e pelo Estado, disse o presidente da autarquia, José Estevens, à agência Lusa.

A Administração Regional de Saúde do Algarve considerou, no comunicado em que anunciou a abertura, que a entrada em funcionamento da nova unidade no Azinhal «pretende, de uma forma rigorosa e sustentada, dar continuidade à implementação da Rede de Cuidados Continuados Integrados na região do Algarve».

José Estevens sublinhou que a entrada em funcionamento deste tipo de valência no concelho é um contributo para ¿combater o despovoamento de uma freguesia do interior do Algarve¿ afetada pela desertificação populacional, «apesar de estar localizada a apenas 15 quilómetros do litoral».

O autarca considerou também que, «com a abertura desta valência no concelho, a oferta de Cuidados Continuados no Algarve fica aumentada e melhorada, aliviando a rede hospitalar, sobretudo o hospital de Faro», que é a unidade de saúde de referência para o sotavento algarvio.

«Numa freguesia do interior onde há pouco emprego e as pessoas não encontram motivos para ficar, a existência de um equipamento deste tipo tem um impacto importante na criação de postos de trabalho e na ajuda à fixação de pessoas, permitindo contrariar a tendência de abandono do território que se verifica», afirmou José Estevens.

O autarca congratulou ainda a Associação de Bem¿Estar Social da Freguesia do Azinhal pela «mestria» com que liderou o processo para a criação da unidade de Cuidados Continuados, que obteve 750.000 euros de fundos do programa Modelar I, do Ministério da Saúde, para as componentes de «edificações e instalações técnica» e «equipamentos», segundo informação avançada pela ARS do Algarve.

José Estevens assinalou ainda o facto de este ser «o primeiro equipamento de Cuidados Continuados a abrir no concelho de Castro Marim», onde passará a haver uma unidade que «ajudará a amenizar a reta final da vida de muitas pessoas» e «contribuirá para a melhoria das condições de vida da população».

A ARS do Algarve anunciou que, até ao final do ano, tem previsto abrir duas novas unidades da rede de Cuidados Continuados Integrados do Algarve, construídas ao abrigo do Programa Modelar II e que se situam em Estoi (Faro) e Aljezur, aumentando para 430 o número de camas destinadas a este tipo de assistência na região, conta a Lusa.